quarta-feira, 14 de julho de 2010

Poetar

Queria uma poesia larga de mim
Mas a caber-te
A entrar-te num justo movimento
Num agir compreensível
Queria a tua poesia também em mim
A estreitar-se pelos meus caminhos
Mesmo num susto de descoberta
E até em estreitamento
Queria todo desvelamento de mim em você
De você em mim
Poesia astuta e sensível
Poesia verbo eu e você
Poetar-te
Poetarmo-nos

5 comentários:

Rodrigo Aroeira disse...

Queria ser um poeta,rs

Paulo disse...

...e é com o justo movimento, num agir compreensível, o estreitando-se nos caminhos, que se constrói o desvelo com que se faz o amor.
É isso mesmo, excelente, Keila.

Nina Blue disse...

Ah, nossos quereres... Tão bom, como um doce!

Maria disse...

ai, eu não sei fazer :/

icendul disse...

olá, keila. ficaram bem as obras à casa, gosto da cor das paredes.

não tendo a poesia do outro nas mãos é que tentamos a nossa própria, na tentativa do dizer.

muito obrigada por todas as visitas ao poros.

uma excelente semana para esse lado do atlântico;)