terça-feira, 9 de agosto de 2011

Apontamentos filosófico-culinários?!

Apontar não é pôr ponta, senão dizer da ponta, da ponta da língua, amiga do gosto, filosoficamente palpitante por papilas descobertas, amigas, receptáculos engenhosos de sentir gostos, o tempero de cada alimento, sofrimento e gozo. Temperar não é moderar, é antes tirar vantagem e ultrapassar o gosto original, sem temperança, posto que tempero é saliva abundante, rio de sabor. Outro dia desses Mariazinha aguou na boca de tanto sabor irreal pelo tempero de alecrim. Alecrim veio doce na berinjela ao vapor, veio doce em conserva no azeite; alecrim declinou o amargor do jiló. Alecrim não era mais dourado de campo, cantado na corda do violão, vinha só na sensação da cor pelo gosto. Alecrim temperou, Mariazinha gozou, gozou no sabor nem doce, nem salgado, gozou no entrelugar de suas papilas de memórias vãs e outras recuperadas, inteligentes, vivas papilas a temperar sua alma de (im)puro alecrim.

3 comentários:

Fabiano de Queiroz disse...

Por favor, escreva um livro... haja talento. :)

Eliéser Baco disse...

Excelente.
por favor, escreva dois livros. hehe

Nina Blue disse...

Eu já quero três livros!
Beijos e abraços minha querida Keila!