terça-feira, 20 de maio de 2008

Anonimato

O anonimato não está no mato
Está no ato
No passeio-cimento
Dito civilizado
Na fala e no gesto
No relance
No susto passante
No ouvido errante
“- Cara... outro dia desses um chegado meu foi lá em casa.
Fiquei bobo! Já tem dois filhos e só tem vinte anos. E sabe
o que é pior? A mulher dele é feia feito o diabo.”

Um comentário:

Curto-Circuito disse...

kkkkkkkkkkkkkk

Sensacional, hehe. Este poeminha tem quase uma pegada de rap, né não?
Bjim querida,
Leo