quarta-feira, 9 de junho de 2010

O amor

O amor do outro é o amor da gente. O amor outro em nós espelhado. O amor é olhar tão indiscreto em nós que vem e lê as sutilezas dos nossos sentidos indiscretos, desnudados, escancarados mesmo em face de recato. O amor é um estranho perfeitamente reconhecível, que nos faz experimentar cada gesto como novidade rara e fazer de conta que nunca viu, nunca sentiu, e não sentiu mesmo, porque o amor é descoberta tão funda que parece rasa, até se fazer entender amor. Ah...se fazer entender amor é peito em disparada só por pensamento de cumplicidade no gozo do outro, na angústia do outro. O amor de tão dito perdeu qualquer dito de precisão por ser precisão tão premente. Amor é falta desajustada sem coisa qualquer que lhe compense, que lhe valha, porque o excesso torna-se diminuto, um exceder surreal, que escorre e fica fluido, e ferve, e sublima, e vira só aroma, enquanto nós farejamos loucos de medo, medo de perder. Amor é medo, é solidão, é larguidão...De tão largo, o amor faz distração em nós, atenção descomedida, poesia.

5 comentários:

Sara_Evil disse...

Vc é Linda moça!

o amor que vc faz é o amor que vc carrega.
Ame o amor!

Lindo e essa sua beleza me faz a emoção que me salva!

Paulo disse...

... e é também olhar, cheiro, sabor e sentires apurados.
É uma vontade de viver, de rir e sonhar, é um desejo constante de começar e retomar a vida desde lá atrás, onde ela ficou quando não havia (amor).
Amor é -mesmo- um estranho lugar.
Obrigado por lembrar.

Nina Blue disse...

Keila,
Gosto de passar por aqui com calma. Aos poucos, vou descobrindo em cada escrito teu, um canto bom, a palavra certa e repleta de sentidos resignificados. Assim, resgato minha ternura e transfiro para minha alma,o doce que a vida retira, diariamente. Beijos.

Carlos Eduardo Leal disse...

Linda esta sua metamorfose do amor em poesia. Líricas palavras.Abçs
Carlos Eduardo
veredaspulsionais.blogspot.com

Carlos Eduardo Louzada Madeira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.