segunda-feira, 13 de abril de 2009

Sem pontos e sem palavras

Tem poema
Que nasce
Fininho
Depois ganha corpinho
Devora todas as palavras e pontos
Se enche de três pontinhos
Até ficar embriagado
E se perder no caminho sem pontos e sem palavras

3 comentários:

Rhany Torres disse...

Ehhh gostei!!!

Viviane disse...

rsrs ei tb...achei lindo o corpinho do poema...sem besteira!!!
Poema encorpa, igual moça bonita né!!! coisa linda essa mineridade!

Ivo Bulhões disse...

Se todos os elogios coubessem numa palavra, diria: Ponto!
Mas, nem todas as palavras chegam ao ponto, então digo: Eita pau pereira!