quinta-feira, 2 de outubro de 2008

?.?.

Por que a angústia da palavra comum?
E a ilusão da palavra rara?;
Por que não o comum raro?;
E onde está o ponto desatinado?
Desfigurado em reticências?;
E as vírgulas?
Não seria melhor fossem pontos e vírgulas?
De caminho escrito no entrelugar?;
E as exclamações não seriam fabulosas?
Se pudessem reverberar feito gargalhadas?
Ou virassem de cabeça pra baixo?
Como is multiplicados de surpresa?;
E as interrogações?
Não poderiam assumir de vez suas afirmações?

Um comentário:

Bernardo disse...

Pq a ilusão da palavra rara? pq a ilusão? pq os cuidados do incomum? não seria a distinção da palavra, entre tantas outras, o motivo q lhe conferiu a qualidade pra q ela se tornasse comum? isso no início. Pq a feição da palavra rara nos seduz, se valemos das mesmas de sempre pra suprimir o vazio dos dias?