sexta-feira, 20 de março de 2009

Saudosa

A saudade nem sempre foi,
E nem sempre esteve no ponto certo,
Na lembrança pronta;
A saudade é visguenta,
Gruda até na expectativa,
Nos gestos indeléveis
E naqueles só rascunho,
De olhos sedentos de imaginação;
A saudade é premente,
É demente,
Mas se finge de ausente;
A saudade tem unhas afiadas,
De gatos manhosos e fugidios;
A saudade corre,
A saudade morre;
A saudade se compraz da chuva e do sol;
Aguça os ânimos calorosos e melancólicos,
E se o desanimo a pega,
Ela se põe a reviver em desatino,
E a gralhar fino de asas descompassadas,
Pela lembrança perdida,
Pela lembrança que desencontrou.

2 comentários:

Rhany Torres disse...

" A saudade é a maior prova que o passado valeu a pena"

Saudades das minhas amigas lindas de BH

maria disse...

Maravilhoso, Keila.
Um beijo!